Santuário Santa Terezinha

  • Aumentar tamanho da fonte
  • Tamanho da fonte padrão
  • Diminuir tamanho da fonte
Início Notícias do Santuário CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2012

CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2012

E-mail Imprimir
AddThis Social Bookmark Button

7891210010780

Nas divergências ocorridas na antiguidade em relação à saúde do ser humano que era concebido de forma unitária. O homem concebia doenças de ordem corporal e de ordem espiritual que envolvia à ação de espíritos maus e a castigos. Ao longo da história vimos que não é possível separar corpo e alma. Ao paralisar o corpo, a doença impede o espírito de voar. Ninguém escolhe ficar doente.

Por isso ela é um forte convite à reconciliação e à harmonização com nosso próprio ser. A doença não descrimina ninguém. Atinge a todos: ricos, pobres, crianças, jovens, idosos. A saúde é um processo harmonioso de bem-estar físico, psíquico, social e espiritual. Nesta campanha ao retornar o tema da saúde, não restringe a reflexão a causas físicas, mentais e espirituais, mas avança para as sociais. "É impossível promover a dignidade de pessoa sem que se conceda o necessário espaço para sua própria constituição e livre atuação"(1) .

A participação é um dever a ser conscientemente exercitado por todos, de modo responsável e em vista do bem comum. Se é dever do Estado promover a saúde por meio de ações preventivas, mas também é dever da população criar hábitos saudáveis e de exames preventivos que contribua para evitar as doenças. Sabemos que há certo descaso em certas circunstancias, no atendimento oferecido aos usuários do sistema de saúde.

A Igreja no Brasil sabe que nossos povos não querem andar pelas sombras da morte. Por isso a Campanha da Fraternidade sempre abordou esse tema: 1981 com o lema: "Saúde para todos"; 1984, com o lema: "Para que todos tenham vida" e neste ano "Que a saúde se difunda sobre a terra".

No início da década de 1990, se estabeleceu oito metas de melhorias sociais: 1º reduzir pela metade o número de pessoas que vivem na miséria e passam fome; 2º Educação básica de qualidade para todos; 3º Igualdade entre os sexos e mais autonomia para as mulheres; 4º redução da mortalidade infantil; 5º Melhoria da saúde materna; 6º Combate a epidemias e doenças; 7º Garantia da sustentabilidade ambiental; 8º estabelecer parcerias mundiais para o desenvolvimento.

No Brasil o trabalho da Igreja por meio do engajamento das Pastorais Sociais, da Pastoral da Criança e da Pastoral da Saúde. A Pastoral da Criança, em suas ações promove o desenvolvimento integral das crianças pobres, é um trabalho solidário e continuo de inúmeros voluntários na promoção de ações básicas de saúde. O apoio integral às gestantes.

Algo preocupante é a gravidez na adolescência. O Ministério da Saúde considera precoce a idade em que, no Brasil, ocorre a gravidez. Vinte por cento dos partos são de jovens entre 15 e 19 anos e 29% entre 20 e 24 anos.

O Meio Ambiente se transformou com a industrialização no séc. XVIII. Na raiz desse processo houve uma corrida desenvolvimentista desenfreada, por países detentores de capitais para investimento tecnológico. Uma verdadeira "cascata" negativa na natureza, houve a poluição dos mananciais de água potável; disseminação de campos eletromagnéticos(2) ; a poluição atmosférica; a ocorrência de desastres ambientais; o descaso com os esgotos públicos. O artigo 225, da Constituição Federal do Brasil, assegura que: "Todos tem direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao poder publico e à coletividade o dever de defendê-lo e preserva-lo para o presente e futuras gerações".

A Campanha da Fraternidade também defendeu essa causa do meio ambiente, em 1979 com o lema: "preserve o que é de todos"; 1986 com o lema: "Água fonte de vida"; 2002 com o lema: "Vida e missão neste chão"; 2011 com o lema: "A criação geme em dores de parto". Este breve histórico demonstra que a Igreja está permanentemente preocupada com a preservação do meio ambiente e sua sustentabilidade. Ela o faz, impulsionada pela missão de defender a obra da Criação de nosso Deus e seu projeto de amor e vida.

Nossa população devido às condições de vida trouxe maior longevidade à população. Mas há um dado que 48,1% da população brasileira estão acima do peso, 15% são obesos, isto está acontecendo devido que as famílias estão substituindo a alimentação tradicional na dieta do brasileiro (arroz, feijão, hortaliças), pela industrializada, mais calóricas e menos nutritiva. Isso faz com que cada ano 20 mil novos brasileiros entram na fila do tratamento. Quantas doenças estão aparecendo, surto de gripe denominada gripe A ou sorotipo H1 N1, nas regiões quentes aparecem à malaria e a dengue, doença de chagas em algumas regiões do Brasil, o cigarro com suas mais de quatro mil substâncias tóxicas e os vários tipos de câncer(3) . Outra droga que afeta os brasileiros é o oxi, é produzido pela mistura de cocaína, combustível, cal virgem, cimento, acetona, acido sulfúrico, soda caustica e amônia. O alcoolismo é um dos graves problemas de saúde pública no Brasil.

Grande parte dos brasileiros não sabe que podem receber tratamento odontológico de gratuito pelo SUS. O Brasil conta com mais de 192 milhões de habitantes e 5565 municípios, sendo que em centenas deles, não há o profissional médico para atendimento diário à população, enquanto isso a Constituição no início da seção II, diz: "A saúde é direito de todos", dessa maneira elabora seis princípios organizativos: - Regionalização ações do campo da saúde o mais próximo possível da população; - Hierarquização desde o básico ate o mais sofisticado; - Descentralização distribuição das responsabilidades; - Racionalização e Resolução, responder aos problemas de determinada região; - Complementaridade do setor privado, contratos ou convênios com empresas idôneas e a - Participação da comunidade. Sabemos que os recursos financeiros destinados à saúde pública em todo o Brasil são insuficientes. O programa Saúde da Família atinge atualmente 100 milhões de brasileiros, o país reduziu em mais de 70% a mortalidade infantil; diminuiu a desnutrição; alcançou uma das maiores coberturas de vacinação para crianças, gestantes e idosos do mundo.

O artigo 4º parágrafo único da Constituição afirma: "Toda pessoa tem direito ao atendimento humanizado e acolhedor, realizado por profissionais qualificados, em ambiente limpo confortável e acessível a todos". Todo cristão tem direito de receber ou recusar conforto espiritual ou moral de sua religião escolhida.

 

SEGUNDA PARTE

Que a Saúde se Difunda sobre a Terra

Saúde e salvação significam plenitude, integridade física e espiritual, paz, prosperidade. Para muitos povos, a doença resulta da ação de forças alheias. O povo hebreu concebia a doença como consequência do pecado e da desobediência à lei. A doença é vista como castigo de Deus ao pecado do ser humano. Quando alguns judeus piedosos ocorriam aos médicos era visto como falta de fé no Deus vivo e verdadeiro, pois a doença era compreendida como uma forma de punição. O livro do Eclesiástico considera a doença como o pior de todos os males (cf.30,17), pois o conteúdo do livro resulta num conjunto de ensinamentos que circulava no meio do povo.

Assim, a Campanha da Fraternidade inspirada no livro do Eclesiástico retira o lema deste ano "a saúde se difunda sobre a terra" (cf. 38,8). A doença não é fruto de pecado, nem castigo de Deus e causa de atos que praticamos irresponsavelmente. Jesus não apenas cura os doentes, mas resgata o ser humano para o meio da sociedade. Como exemplo a parábola do Bom Samaritano que tem sete atitudes de amor pelo próximo. 1º Ver - a realidade da pessoa; 2º Compadecer-se - atitude de compaixão; 3º Aproximar-se - ir ao encontro; 4º Curar - derramar um sentimento; 5º Colocar no próprio animal - colocou-se a serviço do outro os próprios bens; 6º Levar a hospedaria - mudou o seu itinerário, adaptando-se para poder entender aquele necessitado; 7º Cuidar - expressa intervenção samaritana, envolveu outros personagens, recursos financeiros. O cuidar passa a ser uma missão. O espírito do samaritano deve impulsionar o trabalho da Igreja.

 

O sofrimento é de difícil aceitação para a humanidade. Geralmente o sofrimento é entendido como um dos grandes entraves à jornada existencial do homem. O sentido da cruz é a realização mais perfeita das palavras de Jesus: "Meu Pai... não se faça como eu quero...faça-se a tua vontade" (cf. Mt 26,42). O Papa Bento XVI nos lembra, que a Igreja como comunidade deve praticar o amor. São João diz: "Eu vos dou um novo mandamento: amai-vos uns aos outros. Como eu vos amei,..." (cf. Jo 13, 34). O sacramento dos enfermos é tido pela Igreja como um sacramento de cura, corporal e espiritual, é um sacramento que consagra uma situação de vida, ou seja, a situação de doença, confiando ao doente à missão de completar, no próprio corpo, o que falta à paixão de Cristo. O Papa Bento XVI diz: "A grandeza da humanidade determina-se essencialmente na relação com o sofrimento e com quem sofre".

 

TERCEIRA PARTE

Indicações para a Ação Transformadora no Mundo da Saúde

A Pastoral da saúde foi compreendida em Aparecida como sendo, "a resposta às grandes interrogações da vida, como o sofrimento e a morte, à luz da morte e ressurreição do Senhor, um serviço à vida". Seu objetivo geral é promover, educar, prevenir, cuidar, recuperar, defender e celebrar a vida ou promover ações em prol da vida saudável e plena de todo o povo de Deus. Esse trabalho evangelizador atua em três dimensões: solidária, comunitária, político-institucional.

-A solidária: o enfermo necessita do apoio solidário. -Dimensão comunitária; ações de caráter educativo e preservativo para toda a comunidade em relação às enfermidades comuns.

-A dimensão político-institucional; visa conscientizar o cidadão brasileiro de seus direitos e deveres no Sistema de Saúde. O avanço das técnicas médicas propiciou grande evolução no tratamento das doenças. O perigo de submeter à vida à técnica, trazendo alguns problemas como a fertilização assistida, o aborto eugênico, a distanásia(4) e a eutanásia(5) , sobretudo o perigo de se descuidar do devido calor humano àquele que sofre.

A mortalidade faz parte de nossa existência, não há como negá-la. O morrer com dignidade é uma decorrência do viver dignamente. Não podemos passivamente aceitar a morte que é consequência do descaso pela vida, causada por violência, acidentes e pobreza. O Papa Bento XVI, diz que: "É necessário promover políticas que criem condições em que os seres humanos possam suportar as doenças incuráveis e enfrentar a morte com dignidade". O sofrimento humano somente é intolerável se ninguém cuida. Como fomos cuidados para nascer, precisamos também ser cuidados para morrer. Os agentes da pastoral da saúde são os discípulos missionários de Jesus Cristo. São eles: o bispo, os presbíteros, os capelães, os diáconos, os religiosos e as religiosas e todos os leigos.

 

(1) PONTIFICIO CONSELHO JUSTIÇA E PAZ. Compêndio da doutrina social da Igreja. São Paulo: Paulinas, 2005, p.112.

(2) Conjunto de fenômenos que dizem respeito à interação entre campos elétricos e magnéticos e sua inter-relação

(3) Cancer do Pulmão, boca, lábio, laringe, garganta, esôfago, pâncreas, estomago, intestino delgado, bexiga, rins, colo de útero etc.

(4) Morte lenta, com grande sofrimento.

(5) Ato de proporcionar morte sem sofrimento a um doente atingido por afecção incurável que produz dores intoleráveis

 

Artigo resumo do Texto Base da Campanha da Fraternidade-2012, escrito por Padre Ilson Ribeiro Ramos - Paróquia São Geraldo Majela, Bandeirantes/PR

FONTE: www.diocesedejacarezinho.com.br